ANDRÉ MOURA VENCE; SERGIPE GANHA
Pense numa raiva da gota serena! A notícia veiculada na grande imprensa nacional (16/02), de que, contrariando o todo-poderoso Rodrigo Maia, o presidente Michel Temer decidia manter André Moura como líder do governo na Câmara dos Deputados, causou sofrência em um bocado de gente em Sergipe.
Motivo? A turba desafeta torcia para ele ser ejetado do cargo, através do qual tem ganhado projeção nacional e, “para piorar”, trazido benefícios importantes à população sergipana, o que o qualifica para voos mais altos. Somente duas ações de André Moura junto ao presidente da República – a retomada das obras de duplicação da BR-101 e da ampliação da pista do aeroporto – valem por um governo, quando mais se comparado à mediocridade da indigestão do festivo Jackson Barreto.
Goste-se dele ou não – e há motivos para amar e odiar o danado com fervor idêntico; indiferença, jamais –, André Moura mostrou-se habilitado a conviver com as feras gulosas do Planalto Central e, para orgulho de uns e raiva de alguns outros, soube aproveitar cada precioso segundo para mordiscar um quinhão de poder.
O filho do conselheiro aposentado do TCE/SE Reinaldo Moura configura-se hoje o político de Sergipe com maior trâmite nos salões do poder – aliás, o último com tal inserção [e sem mandato, frise-se] foi Lourival Fontes, nomeado por Getúlio Vargas diretor do Departamento de Propaganda e Difusão Cultural (DPDC) em 1934, órgão criado às vésperas da Constituição de 1934 para difusão de propaganda governista e controle dos meios de comunicação; ou seja, censura à imprensa, e só
André Moura venceu uma tremenda batalha contra Rodrigo Maia, que havia prometido ao PP de Aguinaldo Ribeiro o cargo de líder do governo, em troca de apoio na reeleição, e fez chegar a Michel Temer que a manutenção do sergipano não o agradaria. Morreu na praia, coitado! Necessitando reorganizar a base, rachada desde a eleição da presidência da Câmara dos Deputados, no começo do mês, o presidente decidiu pela permanência de André Moura, responsável por grandes vitórias do governo.
Mesmo a contragosto de certos sabujos sergipanos, cujo “instinto” político equivale ao de chimpanzés selvagens, sobretudo em se tratando de sufocar adversários, mesmo que isso signifique prejuízo para o Estado, André Moura continua líder do governo e Sergipe só tem a ganhar, para alegria de muitos…
#Compartilhe #Comente #Curta



¿HASTA CUANDO?”
Por norma velada – ou seja, aquela que cala, não necessariamente porque consente –, tratar na imprensa de temas envolvendo o Poder Judiciário tem sido evitado pelos analistas políticos, muitos deles, como eu, com vários processos em tramitação.
Um tema atual são os proventos de juízes. Sem dúvida, o salário de um magistrado não deve ser baixo a ponto de tornar atraente aceitar subornos. O abuso da remuneração excessiva, no entanto, afronta a Constituição por envolver rendimentos e benefícios pagos acima do teto permitido.
Se a Justiça não dá exemplo, quem o fará?
Assim dito, causa indignação a nota publicada hoje em jornais de todo o Brasil pelo colega Cláudio Humberto sobre os valores pagos pelo Judiciário sergipano a desembargadores do Tribunal de Justiça, em especial a um deles, que em janeiro, conforme o jornalista, recebeu “meros” R$ 326 mil reais. Santa danação...
Cabe, então, perguntar ao modo do memorável bolero: “¿Hasta Cuando?”.

FOI MINHA AVÓ, DONA RITA LEITE…
Ai, ai… sabe a anedota sobre quem nasceu primeiro, se o ovo ou a galinha? Pois bem, a “visita” de Maria do Carmo Alves ao Iate Clube na campanha de Valadares Filho ainda rende história.
Hoje, meu amigo Gilmar Carvalho opinou sobre a querela e ouviu ainda a opinião do deputado Luciano Pimentel, ligado a Valadares Filho. Antes de dizer-se plenamente crédulo na teoria da conspiração, o danado jornalista leu ao microfone da MixFM nota escrita ontem pelo arguto colega Jozailto Lima no blog “JL Política” – ele que, também, assessora o citado deputado.
Diz o texto: “É meio nauseabunda, bastarda e tardia esta tese de que o governador Jackson Barreto plantou a senadora Maria do Carmo naquele fatídico evento de campanha de Valadares Filho na segunda-feira, 10 de outubro do ano passado, no Iate Clube. E desrespeitosa, até. Pelo menos para com Maria, que é tratada nessa questão como se fosse uma autômata. Uma atarantada, manietada e manipulada por alguém.”
Luciano Pimentel discorda do assessor Jozailto Lima, e sacramenta: a senadora pode, sim, ter sido usada “inocentemente” para figurar, a sua revelia – pois não seria seu perfil –, numa ação de marketing que, por fim, beneficiou a campanha de Edvaldo Nogueira, porquanto colou no adversário a pecha de “aliado” do ex-prefeito João Alves Filho, marido da senadora.
E quem, pelas pestes, teria levado Maria do Carmo ao Iate Clube, o tal conspirador?
Na mesma MixFM, nesta segunda-feira (13), em entrevista ao ardiloso Marcos Couto e ao próprio Gilmar Carvalho, o deputado Robson Viana assegurou que não fez o convite nem teve qualquer parcela de responsabilidade no imbróglio. Bem, se não foi ele, só pode ter sido minha querida avó Dona Rita, que do alto dos seus 88 anos de muita formosura, armou aquela patifaria!
Em Sergipe, diz a abelhinha da bela Thaïs Bezerra, tudo se sabe… #Uia


VALADARES FILHO E A CONSPIRAÇÃO DO DESGOVERNADOR
Adepto ferrenho de teorias da conspiração, lá vou eu embarcar na difundida nesta quarta-feira (08) pelo ilustre oposicionista Valadares Filho nas redes sociais da Internet. O danado pede para ligarmos os pontos, a fim de produzir um raciocínio lógico – a dita conspiração! – sobre o jogo político perpetrado pelo festivo desgovernador Jackson Barreto a fim de detonar os adversários.
De ponto a ponto, pela ótica de Valadares Filho: Jackson Barreto alicia Laércio Oliveira para a base governista. Em seguida, o desgovernador se aproxima da senadora Maria do Carmo e do ex-prefeito João Alves Filho na questão do Banco do Nordeste. Ato contínuo, a senadora assina o documento de entrega da liderança da bancada federal a Laércio Oliveira. “Isso mostra mais uma vez para a população que a presença de Maria do Carmo em um evento da minha campanha – mesmo sem ser convidada – aponta para uma conspiração comandada por Jackson Barreto”, intui o parlamentar.
Aqui com meu zíper, penso: “Seria Jackson Barreto sumamente esperto a ponto de ter aliciado Robson Viana – à época desenxabido com seu padrinho e autor do ‘convite’ à senadora ao ato de adesão dele à campanha de Valadares Filho – para melar a candidatura do deputado, ligando este a João Alves Filho, não obstante já estarem no palanque do mesmíssimo evento, a convite do próprio Valadares Filho, figuras como ACM Neto, Vinícius Porto, Manoel Marcos e José Carlos Machado, todos ligadíssimos ao então prefeito [malquerido]?” Se o for, o mandatário falastrão deve ser o Cão Chupando Manga – uma besta-fera genial, misto de Nicolau Maquiavel e Mãe Dináh.
Não, gente, os fatos confirmam que Jackson Barreto não tem e jamais terá a esperteza do Diabo, mesmo sendo ele um velho loroteiro e fanfarrão! Menos ainda, a capacidade de urdir planos políticos mirabolantes. Com ele, a política “conspira” na base rasteira da compra e venda de “ativos” – e só! De fato, como já comentei noutras oportunidades, Valadares Filho perdeu o pleito por não reagir no momento adequado às mentiras de Carlos Cauê na propaganda de Edvaldo Nogueira, e também pelo abuso do poder econômico.
Nada disso, contudo, invalida a observação correta de Valadares Filho quanto ao fato de Jackson Barreto e Edvaldo Nogueira não mais criticarem João Alves Filho e Maria do Carmo, até porque agora ambos precisam do precioso apoio da senadora – e isso é apenas… política! Ademais, Maria do Carmo, diga-se, ainda resguarda uma ponta de iceberg de mágoa pelo tratamento recebido no Iate Clube, coisa que ela vai demorar uns bons anos a esquecer.
Por fim, com propriedade, Valadares Filho observa que o desgovernador busca a todo custo enfraquecer a oposição, “para desviar o foco do caos que está seu governo, rejeitado por mais de 70% dos sergipanos”. O deputado pode até achar “deprimente” tamanha desfaçatez e desmesura com a oposição, mas isso é apenas… política, faz parte do jogo, assim como as conspirações.


BARRIGADA OU BABAÇÃO DO JORNAL DA CIDADE?
A Pesquisa Brasileira de Mídia, encomendada pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República ao Ibope [e divulgada no início deste ano], aponta que os jornais impressos estão na liderança de confiança dos brasileiros como meio de comunicação. O porcentual dos entrevistados que disseram confiar sempre ou muitas vezes nas notícias publicadas em jornais é de 59% – rádio e televisão têm 57% e 54%, respectivamente.
Assim, cabe a um meio tão acreditado como o jornal pautar-se estritamente pela verdade, nada mais do que a cristalina verdade! Não pode jamais, sob qualquer pretexto, usar de meias-verdades para tentar iludir o leitor. Soa, portanto, destoante – para ficar num termo ameno! – a postura engambeladora do Jornal da Cidade, edição desta quarta-feira (08), ao noticiar o reinício das obras de duplicação da BR-101 e da pista do Aeroporto Santa Maria, em Aracaju.
Diz o matutino que o reinício das obras “atende uma demanda antiga do Governo de Sergipe, o qual vem pleiteando o reinício dos serviços em consecutivas audiências com representantes do Governo Federal”. Sem dúvida, uma verdade incontestável. A meia verdade, porém, vem quando o Jornal da Cidade informa que o anúncio, feito ontem em Brasília, “contou com a presença de deputados, senadores, INCLUSIVE DA OPOSIÇÃO AO GOVERNADOR SERGIPANO”.
Ora bolas, me batam um abacate! Santa cara de pau!
As tais obras, diga-se a bem da verdade, somente serão reiniciadas por intermédio e intervenção direta junto ao presidente da República de André Moura, líder do governo federal na Câmara dos Deputados, e não por pedido ou intervenção [em qualquer nível] do festivo desgovernador Jackson Barreto, aquele que abertamente chamou e chama Michel Temer de “golpista”. Ou seja, o mandatário falastrão e fanfarrão estava por lá como “simples” CONVIDADO, não como PROTAGONISTA.
Atualmente, o Jornal da Cidade passa por grandes dificuldades financeiras – não apenas ele, frise-se; Cinform, Jornal do Dia e Correio de Sergipe também amargam a perda cavalar de anunciantes e de leitores, hoje mais afeitos a se [des]informar através da Internet. Por causa da crise, recentemente vários jornalistas foram demitidos do vetusto matutino, enquanto a redação e as oficinas eram transferidas para uma indústria da família proprietária, a fim de minimizar custos e tentar se manter de pé.
Se tivessem um pouco mais de juízo, os dirigentes do Jornal da Cidade deveriam fazê-lo mais independente, mais voltado ao povo e à verdade! Neste tocante, a manchete de hoje não pode ser confundida com uma BARRIGADA – no jargão jornalístico, um erro de informação –, mas como pura e simples BABAÇÃO – para ficar num termo ameno! –, porquanto o Jornal da Cidade tem sido informado sobre a movimentação de André Moura em Brasília, por meio da AssCom/AM, na questão da BR-101, do aeroporto e da liberação de verbas e água potável para 28 municípios sergipanos atingidos pela seca.
O Jornal da Ciidade optou, contudo, por tentar iludir os seus parcos leitores, talvez na ânsia de agradar a um governo inútil e descarado, de quem certamente aufere… bem, deixa pra lá!
Mas que ficou feio, isso ficou! Santa patifaria...



RASTEIRA EM JACKSON BARRETO. BEM-FEITO!
Como é público e notório, a ocupação diuturna e incansável do festivo desGovernador Jackson Barreto é bater boca e detratar quem lhe faça oposição. Enquanto isso, entre mazelas terríveis, Sergipe figura como estado mais violento do Brasil – foram 96 assassinatos no mês de janeiro, conforme dados da própria SSP, e 12 apenas no último final de semana.
Fosse dado mais ao trabalho e menos às querelas e futricas, o verborrágico mandatário sergipano, membro do PMDB – mesmo partido do presidente Michel Temer, diga-se! –, poderia tirar algum proveito do compadrio político. Não o fez com a ex-governAnta, a quem declamava loas; e não o faz agora, quando seu partido está no poder. Ou seja, só a galhofa lhe interessa.
A comprovar o dito acima eis que nesta terça-feira (07), com a presença do danado desGovernador, o deputado André Moura sacramentará a retomada das inconclusas obras da BR-101 e do Aeroporto de Aracaju (veja vídeo), que o parlamentar conseguiu junto ao presidente, de quem é líder na Câmara Federal. Resumo do forrobodó: Jackson Barreto bate-boca e fanfarra; André Moura trabalha.
Mas, nesta toada, rasteira pouca é bobagem...

ELBER BATALHA ESTÁ CERTO!
Muito interessante a entrevista do líder da oposição na Câmara de Vereadores de Aracaju, Elber Batalha Filho, ao Jornal da Cidade [edição deste fim de semana; veja ilustração], na qual ele reafirma que “o prefeito Edvaldo Nogueira quebrou várias promessas de campanha” – inclusive em relação à revogação do aumento do IPTU, que não houve. Sensato, o parlamentar disse ser “difícil” avaliar a nova gestão no quesito administrativo, neste curto período. Porém, garantiu enxergar “com muita decepção a quebra de promessas que foram alicerce da sua campanha”.
Recomendo a leitura do texto, especialmente a resposta à pergunta final, a constatar a “migração maciça para a base do governo” (…), sobretudo de quem era ligado à gestão de João Alves Filho. Como vergonha pouca é bobagem, Elber Batalha relembra que a principal cabo eleitoral do hoje governista Juvêncio Oliveira foi ninguém menos que Marlene Calumby, irmã do ex-alcaide; sem esquecer o neófito Thiago Batalha, filho do ex-prefeito ad hoc Carlos Batalha, que pintava e bordava na ex-gestão. Já o caro doutor dos pobres Manoel Marcos mudou de partido antes da campanha e, hoje no tucanato, exibe sua plumagem governista sem qualquer sofrência.

CARLOS BATALHA E OS OUTROS GOVERNISTAS NOVOS
“Farinha pouca, meu pirão primeiro.” O velho adágio sintetiza os bastidores da eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Aracaju. Para fazer presidente Josenito Vitale – vulgo, Nitinho –, o padrinho do prefeito Edvaldo Nogueira, o indefectível desgovernador Jackson Barreto, só precisou de alguns poucos “argumentos” para cooptar uma turba sedenta.
Engana-se, contudo, quem enxerga aqui mais uma derrota da oposição! Que contrapartida haveria aos mimos garantidos pelo festivo Jackson Barreto, o poderoso Senhor dos Diários Oficiais de Sergipe e de Aracaju? Candidato a reeleição, Vinícius Porto argumentava com os oposicionistas – e até com governistas menos famintos – sobre a importância estratégica de se manter o contraditório. Quando a vitória lhe parecia certa, o jeitoso desgovernador entrou em cena.
Do outro lado, Edvaldo Nogueira tentava negociar. Foram muitas as conversas com todos, nas quais encontrou majoritariamente o descrédito. Sentido o cheiro da derrota, apressou-se no pedido de socorro ao padrinho. Pragmático, Jackson Barreto afastou o prefeito e Carlos Cauê das tratativas e passou a ligar pessoalmente para os vereadores, em especial os eleitos no grupamento do ex-prefeito João Alves Filho – ou seja, justamente quem deveria dar suporte a Vinícius Porto.
Em resumo, o desmantelamento do grupo político do Negão – e, em certo sentido, da oposição a Edvaldo Nogueira – contou com o auxílio venal dos próprios aliados do ex-prefeito.
Exemplo gritante vem do neófito Thiaguinho Batalha, filho do secretário de Comunicação de João Alves Filho, Carlos Batalha, agora um convicto governista! Votou em Nitinho, e assim ajudou a empregar papai e o irmão – Carlos Batalha será diretor de Imprensa da Câmara de Vereadores; o irmão, chefe de departamento na Secretaria Estadual do Esporte. Na imprensa, Thiaguinho Batalha argumentou que ele e o papai são pessoas diferentes. Sem dúvida, muito “diferentes”…
Vinícius Porto também levou rasteira dos colegas de bancada Juvêncio Oliveira e Manoel Marcos, ambos cooptados. Juvêncio Oliveira, inclusive, dizia-se “o candidato de Jackson Barreto” a presidente, para constrangimento até das pedras do Morro do Avião. Aceitou ser vice-presidente na chapa de Nitinho, sem falar dos cargos comissionados. Já Manoel Marcos, hoje um tucano, manchou a biografia ao render-se às benesses do Poder. Tido como homem de palavra, o “médico dos pobres” falhou.
Convenhamos, o prefeito Edvaldo Nogueira tem sorte! As contradições políticas parecem não lhe afetar. Na campanha, por exemplo, acusou Valadares Filho de esconder o apoio do Negão, que este não tinha. Hoje, para garantir uma Câmara Municipal dócil, aceita que o padrinho lhe ponha no colo exatamente a bancada de João Alves Filho – um caradurismo sem vergonha!
Quanto aos novos governistas – Carlos Batalha (e o filho), Juvêncio Oliveira e Manoel Marcos –, eles até podem receber as migalhas oferecidas por Jackson Barreto. Porém, jamais serão convidados para o grande banquete dos verdadeiros espertos. Afinal, quem se vende uma vez, jamais recupera o respeito! Eis a questão.



AFINAL, O FESTIVO DESGOVERNADOR JACKSON BARRETO TEM ALGUM JUÍZO NAQUELE BRONZEADO CABEÇÃO?
Não é piada – aliás, muito pelo contrário! Mesmo dado à eterna fanfarronice, o festivo desgovernador de Sergipe, Jackson Barreto, não pilheriava quando disse numa entrevista semana passada que agentes do sistema prisional teriam facilitado as recentes fugas de presos em cárceres sergipanos.
De duas, uma: o desgovernador, diante da inação, deve sofrer impeachment por crime de responsabilidade, ao não denunciar à Justiça ou iniciar processos administrativos de servidores a quem acusa de mancomunar-se com presidiários; ou teríamos um grandioso caso de canalhice gerencial do galhofeiro, ao responsabilizar terceiros pela própria incompetência.
Em ambos os casos, dá-se o pior dos mundos, aquele no qual um punhado de presos perigosos escapa, sem dificuldades, pelo “ladrão” – com o devido perdão do nefando “trocadalho”.
Diante do barulho, que cresce a cada dia, o Sindicato dos Agentes Penitenciários de Sergipe confirma a informação de que associados estariam, sim, dispostos a processar judicialmente o desgovernador por calúnia e difamação. Enquanto isso, a Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania garante haver inquéritos e sindicâncias a comprovar a participação direta e indireta de servidores nas escapadelas dos detentos.
Resumo da ópera bufa: o sistema prisional sergipano está insustentável por causa da superlotação, questão recorrente em presídios e também nas delegacias de polícia. Não há pessoal suficiente para gerir tamanha esbórnia, nem estrutura para garantir um mínimo de segurança nas cadeias.
Talvez fosse o caso de Jackson Barreto falar menos e trabalhar mais! Seria pedir muito? Ou, se não aguenta, vaze...

PIOR MANDATÁRIO DA HISTÓRIA DE SERGIPE, O DESGOVERNADOR JACKSON BARRETO AINDA DEBOCHA
O descaramento do festivo desgovernador de Sergipe não tem limites. Ontem, numa entrevista ao colega Gilmar Carvalho [MixFM], Jackson Barreto debochou dos senadores Antônio Carlos Valadares, Eduardo Amorim e Virgínio de Carvalho, justo eles que resolveram cobrar do mais incompetente de todos os mandatários sergipanos onde o danado meteu o dinheiro do Pró-Investe.
Para quem não lembra ou mesmo ignora o que seja Pró-Investe, em 2013 a Assembleia Legislativa de Sergipe autorizou a contratação pela gestão estadual de empréstimos junto ao BNDES, no total de R$ 428,7 milhões. Ao todo, 33 obras integravam o projeto, entre as quais o Hospital do Câncer (contrapartida de R$ 15 milhões), com verbas do Ministério da Saúde (Orçamento Geral da União), e a construção e aparelhamento do novo IML, no valor de R$ 20 milhões.
A chiadeira de Jackson Barreto contra a bancada sergipana no Senado até assusta, pois suscita a pergunta que não quer calar: se nada deve, por que o despeitado desgovernador “cai matando” nos parlamentares, quando eles apenas pedem informação – aliás, papel constitucional dos congressistas – sobre a aplicação dos mais de R$ 400 milhões do Pró-Investe? Existe alguma coisa errada, que justifique a afetação? O chilique de Jackson Barreto seria motivado por algum desvio? Não esqueçamos, o cabra vive em campanha 24 horas por dia, sete dias por semana…
Desgovernador, a população quer saber onde está o dinheiro! Aproveite o generoso espaço que lhe é dado pela imprensa e, em vez de debochar da cara do povo por meio dos parlamentares que lhe cobram explicações, apresente um relatório detalhado de cada centavo utilizado. É o mínimo que se espera de quem está à frente dos cofres públicos. Do contrário, em breve, a sua extensa ficha corrida judicial poderá ser aditivada de novos processos por improbidade e gestão temerária.
O aviso está dado…